.Between Two Lungs.

Archive for Setembro 2011

Este post é cheio de mimimis e reclamações. Não vá lê-lo e reclamar depois. Blog serve pra isso, escrever a merda que você quiser, não mostrar esmaltes! E ninguém tem que postar coisas felizes, inteligentes e engraçadas o tempo todo, então, ja sabe né? Reclamo do que eu quiser MESMO.  u.u

No livro O Manual do Bruxo há uma parte dedicada à Aritmancia/Numerologia. Ganhei o livro em algum Natal  e passei o dia seguinte pedindo a todo mundo para que escrevesse seus nomes em um pedaço de papel para que eu pudesse analisar as pessoas. O método ensinado superficialmente no livro avalia os números do caráter (quem é você, sua personalidade em geral), coração (sua vida interior, seus temores e desejos), e social (como você é visto pelas pessoas).  E olha só que engraçado,  os números caíam mesmo como uma luva para as pessoas. Os meus números (1, 5, 1) não poderiam ser mais adequados, exceto que naquela época, uma característica do número 1 não batia com a minha pessoa: EGOCENTRISMO. Como poderia eu, bobinha e com uma autoestima lá no chão,  ser egocêntrica?

Pessoas egocêntricas não acham que o mundo gira somente em torno delas? Acham. Eu não achava que o mundo girava em torno da minha pessoa. Mas naquela época, egocêntricos eram, para mim, pessoas que se achavam a ultima Coca-Cola do deserto, e que a existência delas, apenas delas, era uma benção para a humanidade. Nunca havia nem passado pela minha cabeça que essa característica poderia ser observada como uma atitude pessimista, do tipo: “caiu um avião na Russia e a culpa é minha! oO

  Até que um dia, estava eu lendo alguma coisa sobre culpa, e tinha implícita a seguinte mensagem: pessoas que se culpam demais são egocêntricas. Faz sentido. Depois pensei comigo mesma ‘nossa, eu me sinto culpada por tudo, me sinto como se tudo de ruim que acontece e por minha culpa…‘. E me lembrei do EGOCÊNTRICA do número 1 da minha análise numerológica de um livro cujo tema principal nem é esse. Pensei um pouco com os meus botões e percebi que sou mesmo uma pessoa egocêntrica. Não acho que o avião que caiu na Rússia é minha culpa, e mesmo com a autoestima melhorada, não me acho a última bolacha do pacote, mas sempre acho que indiretas são para mim e que se fulano está bravo, fui eu quem deu motivos. Etecétera…

De uns anos para cá, estou cada vez mais certa de que fui escolhida à dedo por Deus para ser um dos brinquedinhos Dele, quando o tédio ou o mal humor batem à porta.  Aí você, caro leitor,  pensa que me acho o centro do Universo, que entre bilhões e bilhões e bilhões de seres espalhados por aí (a gente nunca se dá conta da dimensão do Universo até começar a falar sobre ele, mesmo que brevemente, rs), sendo que só na Terra existem por volta de 6 BILHÕES de pessoas, eu penso que sou importante e notável o suficiente no meio dessa multidão para ser um dos escolhidos para Deus trollar quando bem entender…  você deve estar pensando “ai que fresca e reclamona, com tanta gente passando fome, aleijada, sem família e sofrendo abusos, entre outras coisas realmente terríveis, ela ACHA que tem algum direito de reclamar! É uma babaca chata e egocêntrica MESMO, por que perdi meu tempo lendo essa merda?“.

E você está meio certo, sabe? Concordo que existem milhares de pessoas em situação muito pior do que a minha. Eu, afinal de contas, sou saudável,  inteligente, tenho uma família equilibrada e que me ama, tenho a oportunidade de estudar o que eu quero, na cidade que eu quero, sem nem me preocupar com coisas básicas como alimentação e moradia. Eu não deveria ter o direito de reclamar MESMO, de nada! Aí eu te pergunto:  POR QUE CARGAS D’ÁGUA NADA DÁ CERTO PRA MIM? Faço a minha parte, corro atrás dos meus interesses, e porra nenhuma acontece! Não de uma forma positiva. Digo, as coisas que estão em curso geralmente DEIXAM de acontecer…

Não sou horrorosa e não acho que sou chata. Até me acho uma pessoa relativamente interessante. Aí vejo pessoas grotescas por dentro e por fora que trocam de namorado como trocam de roupa, e o maldito destino só me prega peças e faz com que eu sempre me apaixone pelas pessoas erradas (eu tenho uma teoria para isso, mas fica pra um post futuro), e o que é mais engraçado, ninguém nunca fica nem remotamente a fim de mim. Só pedreiros. risos
No quesito amigos, sempre me sinto como a segunda opção. Talvez eu seja mesmo um pouco distante das pessoas, sem falar na timidez, mas sinto que não sou indispensável na vida de ninguém. Dos meus pais e irmã, provavelmente.

Sou inteligente e saudável. Tiro boas notas, sou educada, enfim, eu sei que tenho potencial (embora eu ainda não saiba usá-lo). Aí todas as oportunidades de emprego, por exemplo, que parecem certas, quando chegam nos 99% de certeza… PLOFT! Algo dá errado. Sério, vou a entrevistas de emprego, os entrevistadores dizem que gostaram de mim, bla bla, aí no finalzinho, faltando iiiinho para a vaga ser minha, acontece QUALQUER COISA, muitas delas bastante improváveis, eu fico sem o emprego e com a cara la no chão. Nem vou me aprofundar neste item, porque honestamente, acho que é o que mais dói falar sobre. Grande bosta ser inteligente, educada, simpática e  esperta. Quem tem conseguido estágios por aí nem assiste às aulas direito! #mariliaburra

Eu acredito que nada é por acaso e Deus sabe o que faz. Quando a gente corre atrás das coisas e elas dão errado, creio que esse não é o caminho ou não era a hora certa de acontecer. Mas na minha vida sentimental e profissional, juro que não entendo mesmo o que Ele está querendo me dizer, ao me encher de esperanças e fechar as portas bem na minha cara no último segundo. Sobre TUDO. Quer dizer que é para eu mudar de curso? Curtir a vida às custas dos pais e da tia e deixar essa ”bobagem’ de emprego esquecida? Deixar pra lá o cara que provavelmente é o certo pra mim (o fato de ele ter namorada é um detalhe. Não existe homem solteiro em São Paulo, pra começar)? Sair pegando geral? Virar lésbica? Virar monge e me mudar pro Nepal?

Talvez Ele queira que eu faça o seguinte:

Eu tenho de me mudar para Londres ou Nova Iorque, trabalhar com qualquer coisa, desde que meu caminho esbarre com o do Daniel Radcliffe, aí ele se apaixona por mim, nos casamos e vivemos felizes para sempre. Sinto muito, Deus, mas não me mudo daqui antes de formada de jeito nenhum! Mas eu caso numa boa com o Dan Rad, ele é minha opção número dois. ha-ha.

Como isso é altamente improvável, só sobra esta opção: Deus me pôs no mundo pra poder dar risada.                                            

 Imagens do Google

***************************************


Meu nome não é Monta

Marília, 22 anos nas costas, estuda Radio e TV em São Paulo e é from Minas Gerais. Ama filmes,livros, séries e Harry Potter . É mal humorada, reclamona e prefere cães e gatos do que gente. É uma mistura de Amelie Poulain, Elizabeth Bennett, Gregory House e Mia Thermopolis. .mais

Faço parte

Matraca

Farewell

Obrigada pela visita, e volte sempre!